#1 - Chegada na Copa Mundial de Quadribol

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

#1 - Chegada na Copa Mundial de Quadribol

Mensagem por Morsmordre em Dom Jun 12, 2016 4:03 pm

#1 - Chegada na Copa Mundial de Quadribol
Ao longe a região fora um quase predominante deserto de terra batida e pouca vegetação, onde o clima predominava com pouca umidade e elevadas temperatura. Ao céu, as nuvens eram quase extintas em um ensolarado dia por entre aquela estação de inverno, o que possibilitava temperaturas mais amenas devido a estação por entre a região deserta. Trouxas evitavam a área que aos olhos deles se estendia em um ilusório campo vazio e arenoso, sem água e movimentação, mas bruxos podiam ouvir com clareza o já forte som das torcidas que vagarosamente chegava a região. O campo, na verdade, fora um camuflado acampamento bruxo, que se entendia em uma quase infinita imensidão de barracas que variavam em seus múltiplos tons. Estas se mantinham armadas em torno de uma edificação monstruosa e ao mesmo tempo deslumbrante, um estádio que tinha como cores predominantes o branco e o dourado. Entre os lotes comprados com antecedência para armação de barracas, um mínimo espaço era tudo o que os proprietários deixavam, apenas no intuito de manter suas estalagens o mais próxima possível da grande edificação. Por entre as ruas improvisadas ao longo do acampamento, gritos de exaltação eram predominantes, enquanto comerciante já tentavam sem muito sucesso comercializar suas guloseimas e bugigangas.

Por entre as bordas, a cada minuto, novos espectadores chegavam trazendo consigo mochilas abarrotadas dos mais diversos utensílios, buscando entre as barracas os lotes por eles já comprados. Discussões uma vez ou outra eram facilmente ouvidas devido a confusões na divisão de lotes lá existentes, já que vire e mexe arruaceiros invadiam lotes a eles não pertencentes.

OBS¹:. Post’s de abertura na localidade devem ser referentes à chegada de seu personagem no acampamento, citando desde sua partida através do portal até o momento que chegou por entre o acampamento e se estabeleceu por entre o lote já “comprado”. Lembre-se que devido ao excesso de possibilidades e esperado postagens criativas, sendo assim estrupem sua criatividade na elaboração de suas postagens.

OBS²:. Visando que nosso RPG se situa no reino unido, posicionaremos a chave de portal que faremos uso no mesmo, em uma área florestal a noroeste de Londres. A localidade fora enfeitiçada para afastar trouxas, assim mantendo o portal seguro destes. Ao cume de uma colina verdejante, uma arvore se encontra posicionada, onde nesta uma corda de aspecto envelhecido esta amarrada de forma frouxa, possibilitando que seja facilmente pega. O portal fora predefinido para atender a uma circunstância especifica, requerendo que um dos indivíduos que faça uso dele traga consigo um ingresso enfeitiçado disponibilizado na compra de um dos lotes do acampamento.
© NOVE3QUARTOS - Todos os direitos reservados.
avatar
Morsmordre
Administrador


Mensagens : 343
Data de inscrição : 31/01/2015

Ver perfil do usuário http://nove3quartos.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: #1 - Chegada na Copa Mundial de Quadribol

Mensagem por Samantha Van Rousseau em Ter Jun 14, 2016 7:31 pm


Copa Mundial

Cause you're the best mistake I've ever made...




“Just keep your eyes on me
I said you're holding back
She said shut up and dance with me!”
 
Eu devia para de colocar músicas que eu gosto para me acordar, porque eu passo a odiá-las. Passei a mão por baixo do travesseiro a procura do celular. -Só mais 5 minutos. – Murmurei, como se ele fosse ouvir e para de tocar. Coloquei o travesseiro sobre a cabeça irritada com a música. Sem sucesso em encontrar o aparelho pela cama resolvi levantar. Fui até a cozinha a procura de algo para comer, percebi uma certa agitação na casa, foi aí que me lembrei. -Como tinha me esquecido, hoje começa a Copa Mundial. - Disse a mim mesma, enquanto mordia uma maça e voltava para o quarto para me arrumar.  Peguei a primeira mochila que vi pela frente, apontei minha varinha para ela conjurando o feitiço indetectável de extensão, a coloquei sobre a cama e olhei para o guarda roupa pensando no que levar. - Wingardium Leviosa. -  movimentei a varinha a apontando para uma peça de roupa, após dizer as palavras, elas começaram a levitar e eu as conduzi até a mochila, fiz isso com um número considerável de roupas que achei que estaria de bom tamanho para passar os dias.
Em minutos eu já havia me arrumado, corri os olhos pelo quarto para ver se não esquecia de nada, quando uma bolinha de pelos surgiu correndo em minha direção. -Prada! Eu já ia me esquecer de você. – Prada é minha cadela, uma Lulu da Pomerania, minha companheira de todas as horas, onde eu vou ela vai atrás. Peguei uma das minhas bolsas grandes e a coloquei dentro. -Não sei se pode levar cachorros, então se comporta mocinha, nada de latir. – Enquanto eu falava a olhando, parecia que estava entendendo cada palavra que eu dizia.
 
Com a mochila e bolsa em mãos rumei em direção a garagem. Não demorou muito para chegar em uma floresta situada a noroeste de Londres. O lugar era deslumbrante o verde das colinas eram de se admirar, ao longe avistei uma arvore robusta e com uma corda amarrada, deduzi que ali seria a chave do portal, afinal aquela era a única arvore que se destacava diante das demais. 
Peguei minha mochila e bolsa, e caminhei até ela, o que não foi uma missão fácil já que saltos e galhos espalhados por todos os lados não combinam nem um pouco. Peguei na corda e tudo ao meu redor começou a girar, segurei firme a bolsa em que Prada estava para que ela não caísse, uma sensação de estar caindo fez com que meu coração disparasse, e mais uma vez tudo voltou a girar até o chão ir se aproximando lentamente e no lugar da corda que eu antes segurava, tomar forma de um convite, o meu passe para o acampamento. 
Eu já havia feito viagens como essa muitas outras vezes, mas a sensação de enjoo era presente em todas elas, não sei como Prada aguentava, deve ser coisa de cachorro.
 
Ao longe se podia ouvir as movimentações e as vozes de pessoas empolgadas, ao me aproximar mais se podia ver barracas armadas em todas as direções em volta de um enorme e magnífico estádio onde as cores predominantes eram branco e dourado. 
Fui em direção a entrada onde entreguei o ingresso e adentrei naquela bagunça. Ao andar pelas ruas improvisadas vez ou outra eu ouvia discussões referente a lotes comprados, me questionei em como iria achar a minha barraca mediante a tantas outras espalhadas pelo lugar. Passei em frente a uma lojinha de doce improvisada, e pensei, porque não comprar um doce? Vai demorar até eu achar a minha barraca.
– Licença, a senhora poderia me vender um saquinho de feijõezinhos de todos os sabores, um sapo de chocolate e quatro varinhas de alcaçuz. - A senhora me entregou os doces e eu lhe dei os galeões. Depois de andar por 10 minutos finalmente encontrei uma barraca com uma plaquinha ao lado indicando que era dos Van Rousseau. Ao entrar, como de esperado me deparei com uma decoração impecável, corri para olhar os quartos e escolhi ficar com o maior diante do possível, essa é a vantagem de se chagar primeiro. Enquanto eu desfazia a mochila, deixei Prada livre para explorar o espaço e não demorou muito para que de pouco a pouco os membros da família chegasse. -Oi, Pai, Lola e Arabella.- disse os cumprimentando. -Pai, estou indo encontrar o Kie, não tenho hora para voltar. -Disse mais como um aviso, porque se eu fosse pedir permissão com toda certeza ele não deixaria. Voltei a andar pela multidão de pessoas histéricas a procura da casa dos Black, sei que não sou nem um pouco bem-vinda lá, mas só queria encontrar o Kieran e dizer para ele que havia chego, e matar a saudade do meu namorado, fazia duas semanas que não nos víamos.  


baby now we got bad blood, we used to be mad love. all rights to Miss!







Samantha Van Rousseau


 
I'm still working on my masterpiece !!<<<
avatar
Samantha Van Rousseau
Lufa-Lufa


Mensagens : 35
Data de inscrição : 31/01/2015
Idade : 17
Localização : Londres

Perfil Bruxo
Casa: Lufa-lufa
Ano Escolar: 6º ano
Varinha:

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: #1 - Chegada na Copa Mundial de Quadribol

Mensagem por Valentim Van Rousseau em Qua Jun 15, 2016 2:15 pm

O dia na Inglaterra estava bem agradável, os raios de sol bem tímidos tentavam entrar na mansão dos Van Rousseaus, uma família peculiar e com diversos tipos de costumes não apreciados por visitantes. A mansão era nobre em sua decoração romana e alguns ares gregos através das esculturas espalhadas pela planta da “casa”. Um dos quartos mais altos da nobre mansão ficava Valentim um aspirante ao esporte mágico e o caçula dos irmãos. Com sua personalidade forte, ainda deleitado em seu sono fora despertado pelo próprio quarto. O ambiente era encantado para que no dia posterior o levantasse bem cedo, as cortinas se abriam logo pela manhã, o rádio próximo a cama colocada perfeitamente na cabeceira iniciava uma música calma-instrumental e lentamente as cobertas sobre o jovem rapaz se dobravam sozinhas. – Não fujam de mim gracinhas – Disse o moço para as cobertas, ele sonhando acordado acreditasse que elas fossem capazes de escutá-lo ou até mesmo entende-lo.

Já de pé e com grande disposição; Valentim fazia sua higiene pessoal e ia em direção a cozinha para tomar café.  Todo mundo corria para se apressar para o evento e o pupilo continuava em seu ritmo sem prestar atenção na afobação dos demais parentes. Sarcástico como só ele, já havia preparado a mala para o dia da copa mundial de quadribol, a ansiedade era visível, porque o jovem iria para um lugar aonde seu coração batia mais alto e sua vocação transbordava pelas veias. – Deixa pegar minha vassoura, tem melhor maneira de ir a evento desses se não voando? – Afirmou ele conversando com sigo mesmo fora da mansão. Já em sua companhia de sua mochila que foi encantada para ser um guarda-roupa e sua última novidade de vassoura das marcas “nimbus”. Com uma jaqueta colegial de esporte, com as cores do Reino Unido, jeans surrado pelo tempo de uso e all stars de cores neutras.  Pegou impulso do chão e levantou vôo, já fora de terra firme pegou a varinha no bolso e conjurou um feitiço de invisibilidade para não ser visto por trouxas e muito menos caçado pelo ministério.

...


Ele sobrevoava o local, que haviam escolhido para chave de portal. Uma mata bem fechada, com várias folhas no chão, assim foi Valentim observando o lugar em busca da sua porta de entrada para os jogos. – Árvore com corda, cadê você? – Já em terra firme com a vassoura na sua mão direita a arrastava entre as folhas, deixando um pequeno rastro de limpeza pelo caminho. – Cadê essa árvore? – Ansioso pelo lugar, não tinha paciência de procurar e aos poucos caiu na realidade que já estava no local, seus olhos foram perceber após alguns minutos uma cordinha a menos de um metro do inglês distraído. Correu para perto e sem pensar duas vezes colocou sua mão sobre a corta, seu corpo foi girado no ar e levado para uma espécie de furacão na qual deformava a realidade em sua volta, o jovem formado não tinha muitas frescuras com chaves de portais e em segundos já estava em pé na frente do evento, com seu convite em mãos. – Olá, tudo bem? – Cumprimentou o auror se encontrava na porta, que não demorou muito para fiscaliza-lo, pois a segurança estava bem rígida esse ano.

Sua atenção foi chamada para pequenas confusões que estavam ao redor do evento, sem mesmo entrar já presenciava na porta algumas discussões sobre as tendas das famílias. – Ok, obrigado amigo. – Todo educado agradecia ao guarda que já se encontrava a metros dele sem notar que tinha se afastado.  Entre os espaços das tendas, que lembravam ruas improvisadas Valentim não demorou a achar a barraca da família, quando entrou não foi surpreendido pelo gosto ostentador de sua parentela.  – Olá ogros e ogras. – Assim ele chamava seus ascendentes, pelo fato de que todos na família possuíam um humor bem cruel, uma característica que era adquirida no sangue.  Sem demorar, o antigo lufano jogou sua mochila em qualquer canto e foi em direção ao estádio, deslumbrar a obra prima do mundo mágico. Todo contende saia correndo pelas ruas, gritando “Inglaterra” para quem tivesse ouvidos.


P.s.: escreveu:Interação com: NPC's e a Família Van Rousseau. 
Quem quiser interagir, estou aberto a isso. 


power and force
VALENTIM ROUSSEAU
avatar
Valentim Van Rousseau
Funcionários


Mensagens : 5
Data de inscrição : 05/06/2016

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: #1 - Chegada na Copa Mundial de Quadribol

Mensagem por Arthur Van Rousseau em Qui Jun 16, 2016 8:12 pm

A Copa

Cinco batidas no Ministério e, enfim, foi liberado de seus afazeres como Magistrado no dia anterior. Normalmente os outros departamentos ficam por sete batidas - até nove em alguns departamentos, como o de Mistérios -, mas na Suprema Corte dos Bruxos o tempo de serviço é menor, dado que a entrada de processos para avaliação - de agravos, recursos e apelos; além de despachos, sentenças e liminares - e demandas é menor do que normalmente seria. Uma felicidade. Trabalhou em demasia para achegar-se no nível em que estava.

Os Van Rousseau já fora uma família poderosíssima, na antiguidade. Hoje, o nome fora esquecido pelos laços do tempo, mas a pureza máxima do sangue mantivera-se pelas eras que se seguiram. Não por preconceito - embora não tivessem quaisquer relações amistosas com trouxas -, mas por simplesmente não haver quaisquer motivos para trocar a mais nobre magia, pela mais infame quebra de séculos de tradição. Seria uma dupla vergonha aos Van Rousseau. A família sempre fora extremamente ao lado mais nobre da magia, o bem, naturalmente alguns membros desta traçaram caminhos tortuosos, mas ainda assim, sua suma maioria trabalhara pelo bem dos bruxos. Seja na monarquia da Idade Média ou seja no Parlamentarismo na era Moderna e Contemporânea. Arthur tinha e ainda tem imenso orgulho de sua família, os nobre Van Rousseau.


Toda a casa estava uma confusão. Suas filhas haviam acordado antes de si e com o trupé que faziam por toda a gigantesca mansão da família, o som dos gritos de desculpas e de apressamento foram ouvidos até mesmo através da porta de mogno que lacrava o quarto do patriarca. Por Merlin..., balbuciou enquanto levantava-se e colocava as pantufas nos pés. Apontou a varinha, que outrora estava na cabeceira, para a porta e essa num 'tick' destrancou-se, e, com um roupão vermelho vinho com o brasão da família desenhado no peito em bordado e com o mais indecifrável sentimento, pôs-se para fora do quarto e berrou um "SILÊNCIO", que fora rapidamente respeitado. Com certeza acordara Valentim - o mais dorminhoco da família -, embora soubesse que este já havia arrumado seu malão para a viagem, Davet e Astaroth - caso fossem - iriam sozinhos e encontrariam os demais lá.

Satisfeito, voltou para seu quarto e fechou a porta atrás de si, que fechou-se, dessa vez, com um estrondo. Seus passos seguiram até o guarda-roupas e, com a varinha apontada, fez todas as melhores roupas ficarem flutuando sobre sua frente. Vejamos..., pensou. Accio: melhor combinação e com o feitiço pronunciado, trouxe até sua frente um belíssimo conjunto, um Alexander Amosu Suit, avaliado em cerca de cem mil dólares americanos, com um floreio de varinha, o roupão voou para trás, caindo na cabideiro e aparatou para o banheiro, onde banhou-se e, posteriormente, vestiu uma cueca boxer negra o terno fino, além, claro de seu sapato Social Democratic.

Logo seus passos cruzaram a toga magistral que estava na cabideiro separado e apontou a varinha para a porta que, soltando um 'tick' abriu-se novamente. Logo seus passos atingiram a sala de estar, onde aparentemente todos estavam. - Toquem em mim. - Estavam atrasados, não podia ficar e dialogar com as filhas no momento, teriam tempo onde iriam. Sorriu com soturnidade e serenidade e, quando todas tocaram, após um longo discurso para não soltá-lo jamais, o magistrado aparatou para o local do Portal: uma área florestal a noroeste de Londres. A localidade fora enfeitiçada para afastar trouxas, assim mantendo o portal seguro destes. Ao cume de uma colina verdejante, uma arvore se encontra posicionada, onde nesta, encontra-se uma corda de aspecto envelhecido, amarrada de forma frouxa, possibilitando que seja facilmente pega e usada. O portal fora predefinido para atender a uma circunstância especifica, requerendo que um dos indivíduos que faça uso dele traga consigo um ingresso enfeitiçado disponibilizado na compra de um dos lotes do acampamento. Naturalmente os Van Rousseau, tinham cada um, seu convite e, assim que tocaram, o Portal levou-os para a Zona de Acampamento, onde um auror e um fiscalizador de convites estava, sendo reconhecido e os cartões devidamente conferidos, posicionou-se entre o auror e o fiscalizador e, com voz calma, denotou uma única frase:

- Assim que Behati Chateaubriand chegar, mande um auror conduzi-la até os aposentos de minha família, por favor. - Com apenas um assentir de cabeça de ambos, sorriu.

Arthur, na frente das filhas e mantendo seu sorriso calmo característico de sempre, avançou por entre a multidão até chegar na parte privada, onde pode-se ver uma tenda com o Brasão dos Van Rousseau bordado nas laterais, assim que chegou abriu a tenda deixando suas filhas entrarem.

- Bem vindas ao recinto temporário dos Van Rousseau. Espero que gostem, princesas.
slyner




O poder se encontra na mais sombria existência, na mais pacata visualização do teor mais lúgubre da consciência humana. Caia perante os deuses, ó, mortal!
avatar
Arthur Van Rousseau
S.C - Magistrado


Mensagens : 12
Data de inscrição : 31/01/2015

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: #1 - Chegada na Copa Mundial de Quadribol

Mensagem por Behati Win. Chateaubriand em Sex Jun 17, 2016 7:06 pm

even the dead deserve a song

A manhã anterior para Behati, tinha sido o cúmulo. Receber convite para viagem praticamente na véspera, era algo que realmente, ela não gostava e pouco tinha cabeça.  Naquela manhã, ela levantou-se enrolada em sua coberta, sentindo o frio e não se importando se perderia o horário ou o bendito portal para a copa de Quadribol, um esporte que em particular, ela odiava. Achava besta e não via a menor graça, tanto que iria pelo o convite, e não pelo o esporte em si. Se fosse pelo o esporte, ela preferia ficar em casa, enrolada em suas cobertas, vendo filmes românticos horríveis.

Quando finalmente conseguiu se desfazer de suas cobertas, foi para o banheiro, onde tomou um banho rápido e quente, no qual lavou seus cabelos, o secando com o secador. Pegou uma blusa marrom, um casaco rosa, botas, um jeans preto rasgado, um colar, brincos e um cachecol e luvas. Esfregou ambas as mãos assim que se trocou, e olhou-se no espelho. Fez uma maquiagem leve e básica, suspirando, enquanto olhava se novamente no espelho. Começou a procurar em suas coisas, o ingresso, e assim que o achou, o socou na bolsa, que carregava, que estava com o feitiço indetectável de extensão, e começou a socar na bolsa, tudo o que precisaria. Desde comida, livros, roupas e seu nécessaire, e assim que tudo estava pronto, finalmente saiu de casa, indo para um beco escuro, onde aparatou.

No momento em que abriu os olhos, se viu em uma floresta, e começou a sentir mais frio. Melhor que esse maldito compense, ou três garotas vão ficar órfãs, e eu estou pouco me fodendo para isso. Ela revirou os olhos, soprando as mãos para aquecê-las, e continuou a andar, e seus pés doendo, por conta do salto alto, mas isso, era o de menos. Quando finalmente viu uma corda, revirou os olhos, e fez uma expressão de tédio. ― Sério? Sério isso produção? Como é que eles diziam... Não me arrasa não! ― Revirou novamente os olhos, pegando a bolsa, e apontou-a varinha e deixou a mão sobre ela, sussurrando. ― Accio ingresso! ― Quando o pedaço de papel que escolheu finalmente alcançou sua mão, fechou a bolsa que carregava e guardou a varinha, pegando a corda e deixou que o portal a levasse.

Abriu seus olhos escuros, vendo um lugar com várias barracas, e sua expressão era de puro tédio, já que nada daquilo lhe interessava, e se interessava era mínimo, não tinha uma célula de seu corpo, que tinha vontade de demonstrar aquilo. Enquanto andava atrás de uma barraca em especial, foi parada por um auror e gritou. ― Eu não fiz nada meu filho, me deixa em paz! Não tenho nada ilegal comigo, só se contar um livro como ilegal! ― Ela tinha medo. O auror lhe perguntou o nome, e disse que lhe guiaria. Ela sorriu falsamente mas não disse nada, apenas seguiu. Quando finalmente viu a barraca que procurava, depois de longos minutos de caminhada, a morena agradeceu ao auror e adentrou a barraca sem nem pensar duas vezes, e quando encontrou o homem de terno, apenas fez um gesto para que ele se aproximasse. Deu um tapa forte em seu rosto. ― Filho de uma boa puta, hein. Você poderia ter se dignado em aparecer para me guiar. Mas não, tinha que pedir para um retardado qualquer não é? ― Revirou os olhos. ― Tem café? ― Deixou sua bolsa em uma poltrona, e ela fez um baque desproporcional ao tamanho, devido ao seu conteúdo, e a morena apenas tinha sua expressão entediada habitual.


let the moon do what she does. roupa

thanks



And Always Remember: A Queen Rules All Of You,

avatar
Behati Win. Chateaubriand
Redator


Mensagens : 22
Data de inscrição : 31/01/2015
Idade : 22
Localização : Londres

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: #1 - Chegada na Copa Mundial de Quadribol

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum